04/10/2012

Kibelândia: Tradição boêmia no centro de FlorianópolisSC

Renata Diem

“Boemia, aqui me tens de regresso”. A música de Nelson Gonçalves remete bem ao clima da Kibelândia. O casarão centenário é o cenário mais tradicional da botecagem no centro de Florianópolis. Mesmo morando no centro e ouvido muito sobre o lugar, eu nunca tinha ido conhecer. Dia desses resolvi matar a curiosidade e acabei indo duas vezes na mesma semana.

A frequência é eclética, mas os boêmios vespertinos são em sua grande maioria. O lugar também é reduto de muitos políticos, jornalistas e intelectuais. Grande parte dos frequentadores parecem ser velhos conhecidos. Nota-se pelas prosas em grupo, as conversas cruzadas e os tapinhas nas costas.

O cardápio, além do tradicional kibe frito e a refeição árabe (kibes cru e assado, pastas de berinjela, grão-de-bico e queijo), oferece pratos à la carte, lanches e comidinhas de boteco. Foi no andar térreo que experimentei o almoço executivo por 25 pilas para uma pessoa esfomeada. O filé e o feijão estilo vó me deixaram bem feliz.

O famoso chope na caneca congelada é unanimidade em quase todas as mesas, em cima dos balcões e pra lá e pra cá nas mãos dos garçons.

Uma coisa que gostei muito foi a versatilidade dos cantinhos. O fato é que o casarão é cheio de espaços e divisórias e sempre terá um que irá bater com o seu ~mood~ do dia. Dá pra tomar um chope no balcão? Jogar general com os amigos? Trabalhar no seu notebook? Conversar com a galera? Todos os itens: check.

O segundo andar é amplo mas aconchegante por conta das divisórias e cantinhos que falei anteriormente. O toque de modernismo fica com a TV onde tocava um dvd de mpb. Esse local foi o escolhido para um happy hour, que é o melhor período do dia pra frequentar o lugar.

Simpatizei com essas mesinhas próximas às janelas. Aqueles dois tiozinhos lá ao fundo estavam jogando general. Dava para ouvir de longe o inconfundível som do copo sendo sacudido e virado, jogando os dados na mesa.

A fome me consumia e eu pedi logo uma coxinha. Alguns amigos falaram tanto dessa coxinha que eu fui obrigada a experimentar. Ela veio bem quente e com a casquinha crocante. O recheio é uma mistura molhadinha de frango desfiado com catupiry e tempero verde.

Em seguida fui de pastel de camarão. Sequinho e crocante. Ficarei devendo fotos do recheio por motivos de: estavacommuitafomecomirápidomequeimeieafotosaiudesfocada.

O bolinho de siri estava perfeito, só que pra matar a fome só com ele eu precisaria de uns dez :D

Conversa vai, conversa vem e acabamos fazendo uma harmonização com taças do vinho da casa e batata frita. Estava bem frio no dia e foi inevitável pedir vinho. O vinho era o ótimo Casa Valduga, de Bento Gonçalves.

Não costumo comer batata frita com molho algum, nem sal eu coloco, mas essa aqui veio acompanhada por uma maionese que não resisti. Não sei qual a composição dela mas senti um leve toque de mostarda.

Demorou mas ele apareceu: o kibe. Pimentinha equilibrada e cebola picada no recheio. Maravilhoso. A essa altura, minha fome já havia dado espaço à gula faz tempo.

Esse happy hour boêmio custou cerca de 35 reais, sem incluir as taças de vinho. Saí de lá com uma sensação de nostalgia. Nostalgia de um lugar que frequentei apenas duas vezes mas parece que conheci a vida toda.

Chopperia Kibelândia
Rua Victor Meirelles, 98 – Centro
Florianópolis-SC
Fone: (48) 3879-5429

SC Renata Diem