01/02/2018

Gente do bem | Diego Fabris

Destemperados

Era uma segunda-feira, e eu estava na Serra a trabalho. Meu amigo Giulio me convidou para um jantar na casa de um casal de amigos. Fiquei meio ressabiado pois achei que ia incomodar em pleno início de semana, mas aceitei o convite e fui. O dono da casa tem restaurantes e cozinha muito bem. Levei duas garrafas de vinho para não chegar de mãos abanando.

Para a minha surpresa, o jantar informal, que seria só para quatro pessoas, virou uma grande confraternização com uma mesa para 10, com mais amigos do mundo do vinho. Fui recebido com um sorriso como se fosse amigo da vida toda, e os anfitriões fizeram questão de que eu me sentisse em casa desde o início. Ela arrumava a mesa nos mínimos detalhes enquanto ele cozinhava, conversando com a gente. Ela dócil e ele esbanjando simpatia.

Os filhos chegaram e trouxeram mais amigos, mas isso não era um problema. Todo mundo gostava de estar ali porque eles são agregadores por natureza. O prazer no rosto de ver mais gente comendo junto era lindo de ser ver. Um bom pedaço de queijo e algumas taças de vinho foram a entrada perfeita para ganhar intimidade. Quando o jantar ficou pronto, fomos todos para a mesa e o anfitrião logo abriu oito garrafas de vinho numa tacada só e soltou uma frase que eu nunca vou esquecer: “Tudo que a gente abrir, a gente vai tomar”. Azar que era segunda-feira. Azar que todo mundo tinha que acordar cedo no outro dia. Achei que era um exagero, mas, quando vi, já estávamos na décima primeira.

Sabe aquele jantar de conversa boa, de risadas fáceis e gente do bem? Foi assim. A madrugada chegou, e ninguém arredava o pé da mesa. A comida era simples e deliciosa. Tinham alguns temperos e segredos de família que ele contava para quem quisesse ouvir. Naquela noite, sabia que tinha ganhado mais dois amigos e que voltaria lá para jantar mais vezes na vida. Pois assim aconteceu. E fiz questão de levar mais amigos para viver essa experiência. Eles foram recebidos tão bem quanto eu fui na primeira vez e saíram tão felizes quanto eu. Todo mundo gosta de estar perto de um casal assim. Obrigado Clege e Pessali.

*Diretor de conteúdo Destemperados
diego@destemperados.com.br