04/01/2018

Essa é a minha praia | Diego Fabris

Destemperados

São duas horas da manhã e acabo de voltar do restaurante. Sentamos para jantar às 23h30min, com o pé na areia e um astral sem igual. Ainda estou em êxtase lembrando dos pratos que saíram da parrilla e do forno de barro.

Faço uma retrospectiva do meu dia e lembro que ele começou saudável, com uma caminhada longa pelo porto, que terminou com um café da manhã por volta de 13h. Difícil de entender como uma torrada de pão de miga pode ser tão saborosa.

Pelas quatro da tarde era hora de ir para a praia. Mas não sem antes pegar umas medialunas para beliscar. Quando na areia, foi impossível resistir ao pancho que o guarda-sol ao lado ostentava.

O pôr do sol se aproximava e chegou a vez do clericot entrar em cena. O garçom mexe as frutas com maestria e atiça a sede de todos. Para completar, peço uns chipirones salteados na cebola que só se encontro por essas bandas.

Lembram do jantar que acabei de voltar? Pois ele foi um dos 20 lugares que estavam na minha lista de desejos dessa uma semana de férias. E ainda nem contei que entre o restaurante e a casa, rolou um pit stop para um helado de dulce de leche.

Os horários por aqui são totalmente fora do padrão. E o mais legal é que cada um vive a cidade do seu jeito. Quer agito? Tem. Quer relaxar com a família? Tem. Quer esporte todo dia? Tem também. Quer passar o dia comendo bem? Este é o lugar certo.

Assim é Punta del Este, o balneário mais gastronômico do lado de cá do planeta. As contas geralmente assustam pelos preços fixados em dólares, e o atendimento nem sempre é bom, mas a alma que essa cidade tem e a alegria que proporciona a tanta gente faz ela ser minha segunda casa no mundo.

*Diretor de conteúdo Destemperados
diego@destemperados.com.br