28/05/2013 Sushic: porque a gente não se cansa da culinária japonesaSC Michele Xavier

Quando você não acredita mais ser possível se impressionar com a culinária japonesa em Florianópolis, vem uma casa nova e mostra que essa ideia é uma grande balela. Talvez o fato de a cidade já contar com mais de 100 restaurantes especializados nessa gastronomia seja crucial para a qualidade dos produtos servidos, mas tenho contado (ou não) com a sorte de, ultimamente, não ter errado uma única vez nas escolhas do gênero. Que eu sou fã dessa culinária vocês já estão cansados de saber, mas poder ter essa grata surpresa mesmo depois de ter visitado uma infinidade de casas especializadas é novidade. Um viva ao Sushic, então.

O restaurante, que antes trabalhava apenas com eventos, inaugurou o primeiro restaurante em 2012, no Bairro Coqueiros, local que passa facilmente despercebido por parecer uma casa (muito bonita, por sinal). Nem grande, nem pequeno, possui uma capacidade razoável, enquanto o serviço, ainda que com bastantes clientes no dia que lá estive, foi absurdamente rápido. Como escolhemos o festival, fomos logo elencado uma enorme lista de itens que pretendíamos comer, sem saber que seriam todos servidos praticamente juntos, ante a rapidez dos sushimans.

Assim que chegamos já nos deparamos com um rosto conhecido: um antigo sushiman do Wa-Sushi. Como não nego minha adoração por essa casa, a expectativa aumentou naquele exato momento. E não houve um momento sequer de desapontamento, já que do início ao fim a excelência reinou nos pratos servidos.

O festival inclui todo o cardápio, sem restrição de quantidade – com cobrança apenas dos desperdícios. De entrada, enquanto ainda decidíamos por onde começar a orgia gastronômica, pedimos todos o ahi poke (atum picante), que estava com a pimenta bem saliente, mas que assim gosto. Havia ainda as opções comuns em outros locais, como sunomono e ceviche. Mas sou adepta de sempre se tentar provar coisas diferentes.

Os pratos quentes são um espetáculo à parte. Tanto o camarão empanado, como o tempurá (este com legumes), estavam maravilhosos, obrigando-nos a repeti-los. Além disso, o missochiru, que eu costuma passar por já ter provado alguns muito ruins pela ilha, só não foi repetido por mim em razão da falta de espaço no estômago.

A preparação e entrega dos pratos era tão rápida que acabamos nos enchendo em tempo recorde. Mas não posso aqui reclamar desse ponto se, justamente, a demora é um dos grandes pontos negativos de algumas casas do gênero. Na foto abaixo, os fabulosos tatakis de salmão e atum.

Você sabe que o sushi é bom quando se mostra desnecessário o uso do shoyo. Aqui, pouco ou quase nenhum foi utilizado, o que não significa comida sem graça ou insossa, pois a maioria dos pratos vinha com algum molho bastante marcante ou flor de sal, deixando tudo ainda melhor. Acima, brinde do chef: niguiri de barriga de salmão.

Confesso que fui ao local sem muitas expectativas, acreditando ser mais uma casa de sushis comuns em Florianópolis. Grata a surpresa ao descobrir que havia opções diferentes e que até mesmo o feijão com arroz está sendo feito de forma diferenciada, com mistura de sabores que muitos sushimans não arriscam. Clichê, por certo, mas muitos "hmmm" foram arrancados dos integrantes da mesa, além da certeza de que as opções por aqui estão cada vez melhores.

O festival saiu por 40,5 dilmas o feminino e 49,5 dilmas o masculino, valor que sobe para 45 e 55 reais, respectivamente, nas sextas e sábados. Preços mais do que justos pela quantidade e qualidade do que é servido. Entrou, com certeza, na listinha dos melhores sushis de Florianópolis.

Sushic
Rua Doutor Abel Capela, 337 - Coqueiros
Florianópolis/SC
Fone: (48)  3028-4576
Aceita cartões


Michele Xavier
  • Michele M. Xavier 27/05/2013 21:26:35

    hahahahahahahahah. Pois é, Fernanda. Ao menos não podem ter desculpas para não ter peixe fresco.

  • fernanda garcia 27/05/2013 21:20:55

    Michele, se vc não tivesse dito que gostava de um japa eu nem imaginaria... Mas tem tudo a ver com cidade praiana comer peixe fresco.