13/09/2012 Chegaí na Feira da General, freguês!RJ Carol Pinho

Rio de Janeiro, sábado, céu azul, sol brilhando. Vamos pra praia? Não, vamos pra praça! Um outro grande patrimônio da cidade maravilhosa clama por atenção. O bairro das Laranjeiras abriga um dos mais legais eventos das manhãs de sábados: a feira da Rua General Glicério. O Rio, diferentemente das grandes cidades do Brasil e do mundo, não tem mais um mercado municipal oficial. Hoje, o mais próximo disso que temos é a CADEG. Até a década de 50, o mercado municipal da cidade funcionava na praça XV, quando foi demolido para a construção do viaduto da perimetral, grande artéria de circulação da cidade. Desde então, a principal fonte de alimentos frescos e típicos da cidade são as feiras livre.

A feira da General, como a vizinhança a chama, funciona, na realidade, na Rua Professor Ortiz Monteiro, uma rua transversal à Rua General Glicério, bem em frente a praça que existe por lá. Mas ela não funciona como um local de compras somente, mas um ponto de encontro e diversão dos moradores das redondezas. Além da feira livre, rola uma feira de artesanato e de comidinhas e o maravilhoso Chorinho da General! Então, se prepara pra uma manhã de comidinhas e música!

Cheguei às 10 e pouca pra tirar umas fotos e ver o povo! Já de início, pra abrir os trabalhos, ganhei um morangão que me fez abrir um sorriso!!! Vermelinho, gigantesco, doce e lindo! E essa é a tônica da feira! Com muito bom humor e muita simpatia, os vendedores querem te conquistar de todo jeito. Então, é morango, fatia de melancia, pedaço de manga, só falta te dar a mãe! E pode aceitar, é tudo muito gostoso!

A feira te oferece uma variedade enorme de opções “snacks-gastronômicas”. Por exemplo, numa das primeiras barracas, ainda na General, você pode se deliciar com uma deliciosa tapioca, de vários sabores, doce ou salgada. Um pouco mais para cima, tem o bolinho de bacalhau, tão amado aqui no Rio. Mas um dos pontos altos da feira é o famoso Pastel do Bigode! De diversos sabores, esse pastelão fresquinho, frito na hora, meu amigo, vai segurar o tua fome durante o passeio.

E não se preocupe, segura mesmo, porque recheio é o que não falta! Tem também outras opções, tipo bolinho de aipim (que de “inho” não tem nada!) e quibe, mas o certeiro é o pastel!

Rola também um caldo de cana, tirado na hora. Atrás da barraca, os caras param uma Kombi recheada de cana de açúcar e um moedor. Eu, que nunca gostei dessa parada, prefiro a água de coco. Na frente da barraca do Bigode, tem uma barraca só de coco-verde. Dá pra tomar in natura ou geladinho e ainda levar a garrafa de litrão pra por na geladeira.

Pronto? Já passeou e viu tudo? Então, vamos sentar ali na praça pra ouvir uma musiquinha e tomar uma cerveja. O Luizinho é o cara! Só vende o que há de bom nessa vida: música e goró!

O cara tem uma barraquinha que vende cds, onde rola sempre uma “promotion” (como dizem os nativos), cervejas, caipirinhas e derivados.

Então, peguei a minha Bohemia, sentei no banco da praça e esperei, conversando com a galera. Mais ou menos ao meio-dia, a galera do grupo Pixin Bodega e convidados começam a tocar. A música rola até por volta das duas da tarde.

No total, gastei uns 12 contos. Isso inclui o pastel de queijo, a água de coco e a cerveja. O morango e outras coisinhas que te oferecem no caminho custam um sorriso ou um bate-papo. Agora, se chover, aborta a missão! A feira continua lá porque a galera precisa vender, mas muitos dos artesãos não aparecem, o chorinho não rola e o bom humor fica em casa dormindo. E ah, prepara a carteira, filhão, porque lá, a maioria, é só no ca$h! 

Feira da Rua General Glicério
Rua General Glicério, na altura da praça, Laranjeiras
Rio de Janeiro/ RJ

Carol Pinho
  • Marco Aurélio 14/09/2012 16:18:09

    Arrasou! mas você deveria ter comido mais os babadinhos oferecidos na feira. Na próxima, se joga com um amigo e vc fotografa as comidinhas dele e as suas. Dois quitutes por pessoa. Já deu quatro quitutes 'típicos do local. Assim teremos uma visão melhor da variedade. Mas vc escreve muito bem, viu? Melhor que muitos destemperados por aqui. Curti a gramática e o estilo de escrita. Beijo.

  • Nathalia Sifuentes 13/09/2012 15:35:20

    >>> PASTEL DE FEIRA <<< Pinho, eu daria um mindinho por uma caipirinha do Luizinho RIGHT NOW! Que delícia de dia!

  • Gabriela Gaertner 13/09/2012 15:27:30

    A feira da General é o máximo, com chorinho e cerveja então, é bom demaisssss!!! Excelente relato!

  • Luciana Lima 13/09/2012 11:15:02

    Carol, que maravilha de feira! amo feiras, e acho uma pena que aqui em Porto Alegre não exista uma desse calibre (pelo menos não que eu conheça...). Puxa, pastel de barraca e caldo de cana na praça? não preciso mais nada! Adorei, parabéns pelo post e pela ideia super legal de fazê-lo!

  • Lela Zaniol 13/09/2012 10:45:08

    AMEI!!!! Sofro de vontade dessas gostosuras de feira.

  • Carol leite 13/09/2012 09:58:10

    Amei!!! Texto delícia! Me deixou com água na boca! Me leva um dia Carol?! Rs Parabéns pelo post!!!

  • Carol Pinho 13/09/2012 09:31:20

    Nem me fala Guilherme!!! Escurece e a pessoa tá na praça ainda!! =)

  • Carol Pinho 13/09/2012 09:30:40

    Oi Ligia! Poxa brigada pelo comentário! És vizinha, aqui da área da General? Quem sabe não nos encontramos por aqui dia desses?!?! =)

  • Guilherme Pupe 13/09/2012 08:30:26

    Post fera, Carol! Eu adoro feiras e mercados... se deixar, passo o dia!

  • Ligia Ghizi 13/09/2012 01:19:37

    Pô, Carol, que lindo! Um retrato colorido, e a cara do Rio: feira livre com up grade! Ficou uma pintura, com um texto tão delícia quanto às gostosuras consumidas ali, fotos lindas e o programa casado do chorinho. Pudo deleite para o paladar, para os olhos e ouvidos. Ah...e para o coração, né? porque comida & música quem não ama? E ó, as caipis do Luizinho, são tudo de bom! E o custo dessa experience, também não podia ser melhor! Show. Beijos